O que vem por aí…..!

by Matthew Wall – BBC

A quinta geração de internet móvel, 5G, pode ser lançada no ano que vem em alguns países. E promete velocidade de download 10 a 20 vezes mais rápida do que temos hoje.

Mas que diferença a nova tecnologia vai fazer, de fato, em nossas vidas? Vamos precisar comprar um telefone novo? Vai resolver o problema da falta de sinal para quem vive em áreas remotas?

A BBC analisa o impacto que o 5G pode ter e responde algumas questões Continuar lendo

Como a tecnologia pode tornar a gestão de saúde mais eficiente no Brasil

by valeriabretas 

São Paulo – Com o envelhecimento da população brasileira caminhando a passos largos, não faltam desafios para as empresas, e futuros governantes, quando o assunto é saúde.
Afinal, ainda que viver mais seja uma vitória, o país ainda engatinha em termos de gestão eficiente –  e é a tecnologia que pode destravar esse problema.
Médicos, especialistas e empresários em saúde discutiram Continuar lendo

Slogan: uma estratégia de posicionamento

bye Débora Alcântara
Relações Públicas, empreendedora, estrategista, especialista em branding e posicionamento de marcas.

Se você estivesse em um elevador com outra pessoa e ela te perguntasse qual o propósito do seu negócio, você saberia responder de forma breve, completa e memorável antes do elevador chegar ao andar dela e a conversa acabar?
A sua marca ou empresa provavelmente possui um slogan. Essa ferramenta é uma estratégia importante para posicionar seu negócio e, se você souber transmitir seu objetivo de forma simples e Continuar lendo

COMO SABER SE O BOLETO BANCÁRIO É VERDADEIRO!

Como funciona as fraudes nos boletos bancários?

fornecida by Juarez Hanich

Segundo dados da Kaspersky e  Banco do Brasil, o boleto é o 3º (terceiro) meio de pagamento mais utilizado pelo brasileiro e quase 20%(vinte percentuais) de todas as transações no comércio eletrônico são feitas através dele. Essa enorme demanda de emissão dos boletos chamou a atenção dos cibercriminosos que desenvolveram uma técnica capaz de alterar um boleto bancário em tempo real, no momento em que o mesmo é aberto no navegador.Nenhum texto alternativo automático disponível.

Os primeiros registros desse ataque datam de Dezembro de 2012, entretanto os ataques contra boletos bancários continuam crescendo. Atualmente muitos dos cibercriminosos que trabalhavam apenas com trojans bancários estão migrando seus esforços para criar trojans que ataquem e alterem boletos bancários. O Golpe do boleto prejudica empresas. Na primeira geração desses trojan, os cibercriminosos tentavam alterar o código de barras e a linha digitável do boleto.

Entenda como funciona atualmente – Outras versões desses trojans usavam Javascript para injetar os dados no boleto, no momento em que o mesmo é gerado no browser. Uma nova versão apareceu depois, ao invés de tentar alterar o código de barras, ela alterava apenas a linha digitável. Outras novas versões também apareceram. Novas versões ainda adicionavam um elemento HTML chamado <span> para inserir uma linha em branco no código de barras, tornando-o ilegível para qualquer leitor ótico, forçando a digitação dos números durante o pagamento:A imagem pode conter: texto

Versão com elemento HTML – Técnicas utilizadas – Para conseguir modificar os boletos, os cibercriminosos utilizam diversas técnicas para infectar os usuários e tornar o ataque permanente nos computadores infectados, como por exemplo: payloads cifrados com XOR (permite burlar efetivamente proteções como firewall, NIDs e muitas outras defesas existentes em redes corporativas), Fiddler (intercepta trafego SSL na máquina infectada, possibilitando alterar boletos gerados em páginas HTTPS), ataques explorando a execução remota de código -RCE – em dispositivos de redes, especialmente modems e roteadores domésticos (altera as configurações de DNS), drive-by-pharming (modifica páginas para atacar roteadores domésticos, numa tentativa de alterar o DNS do equipamento). Entretanto, uma das técnicas mais utilizadas e efetivas ainda é a de engenharia social.

Como se proteger – Seguem algumas dicas sobre como proteger efetivamente o ambiente empresarial contra esse golpe. Mantenha um bom programa antivírus atualizado nos computadores /servidores envolvidos no gerenciamento financeiro ou emissão de boletos. Quanto aos serviços on-line onde clientes podem gerar boletos de pagamento é sugerido que sejam gerados no formato PDF e server side, ao invés de HTML.  Por enquanto os trojans não podem alterar arquivos PDF.

Os computadores onde os boletos são gerados devem ter uma boa proteção antivírus e devem estar dedicados somente a operações financeiras como emissão de notas fiscais, boletos, etc. Não devem ser usado para outro fim. Use um controle de aplicativos para impedir a instalação de software desconhecido. Se for possível, adote o meio de pagamento DDA para compras/vendas de valores maiores.

O boleto registrado permite uma maior rastreabilidade ao banco, para compras/vendas de valores maiores é bom adotá-lo. Verifique em todo boleto impresso se o número do banco (3 primeiros dígitos da linha digitável) corresponde ao banco emissor do boleto.
Confira o campo “Nosso número” na parte direita do boleto, ele deve estar presente na linha digitável, caso contrário é provável que o boleto tenha sido adulterado. A velha e conhecida engenharia social através de campanhas de e-mail ainda são efetivas e bastante usadas. Oriente os usuários sobre as boas práticas para correio eletrônico.

Prejuízos causados pela “gangue do boleto” – Vivemos atualmente uma verdadeira avalanche desses trojans. Muitas empresas foram afetadas, gerando prejuízos superiores a 150 mil reais. Porém, até o momento, não se sabe a quantia exata de dinheiro desviado. Apenas os Bancos possuem esses dados, porém como cada um vê apenas os seus casos de fraudes e não o todo, não há estimativas próximas da realidade.

Mas, uma coisa é certa: cibercriminosos que atuavam com trojans bancários estão migrando para o roubo de boletos. Eles não fariam isso se tal prática não fosse lucrativa e não estivesse rendendo um bom dinheiro.

 

Seguradoras recorrem à tecnologia para prevenir golpes.

Emprestar a carteirinha do seguro saúde para um conhecido sem plano ou inverter a responsabilidade em uma colisão de automóvel envolvendo terceiros. A exemplo dos casos mais graves, como simular a morte de alguém para receber a indenização do seguro de vida, todos eles se caracterizam como fraude. “Há várias modalidades de fraude bastante conhecidas no mercado”. por Lívia Sousa – Revista Apólice

Fraudes comprovadas no setor (sem considerar previdência, saúde e capitalização) somaram R$ 448 milhões em 2014 – ou seja, 1,7% em relação aos sinistros avisados dos Seguros Gerais –, de acordo com a CNseg. No ano anterior, as práticas criminosas totalizaram Continuar lendo

‘Seguradoras não se afastam do risco e permanecem firmes contra a proteção veicular”

Um verdadeiro clima da caça as bruxas marcou a abertura do 20º Congresso Brasileiro de Corretores de Seguros realizado em Goiânia, entre 12 e 14 de outubro.   Lucas Vergílio, corretor e deputado federal, pediu o apoio de todos na luta contra o que o segmento chama de aventureiros, referindo-se às cooperativas que vendem proteção veicular e que começam a ofertar outros produtos do segmento patrimonial.

“Convoco todos para a audiência pública do PL. 3139/2015, no próximo dia 24 de outubro. Esse projeto visa banir do mercado esses aventureiros”.

Marcio Coriolano, presidente da CNSeg afirmou que a confederação que representa as seguradoras está obcecada por lapidar a base do setor frente a revolução  tecnológica que o mundo vive e assim seguir promovendo um crescimento resiliente e sustentado do país.

“Agradecemos o empenho de Armando

Continuar lendo

Você sabe o que é Licitação?

LICITAÇÃO

Trata-se de um processo administrativo, isonômico, na qual a administração seleciona a proposta mais vantajosa, menos onerosa e com melhor qualidade possível, para a contratação de uma obra, de um serviço, da compra de um produto, locação ou alienação.

A licitação não pode acontecer de forma sigilosa, sempre deverá ser pública, respeitando o direito da Continuar lendo

Reforma Trabalhista – Análise dos artigos que podem impactar seu empreendimento!

O que muda para quem trabalha em Home Office após a Reforma Trabalhista?

Por Luiz Eduardo Duarte

Introdução

A Lei 13.467/2017 conhecida como Reforma Trabalhista, inclui, alterou e excluiu diversos dispositivos da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho. Salienta-se, no entanto, que as mudanças só terão efetividade para contratações a partir de novembro de 2017. Diante disso e não fazendo qualquer juízo de valor sobre as alterações, algumas mudanças surgiram com potencial de influenciar muito algumas rotinas trabalhistas de empresas de tecnologia.

Visando esclarecer melhor as mudanças, vamos analisar especificamente todos os artigos de forma breve e objetiva, a fim de esclarecer ao empresário quais as Continuar lendo

“A cabeça de quem contrata”

Características comportamentais são pontos de atenção na contratação.Pesquisa conduzida pelo Instituto Locomotiva revelou que gestores encontram dificuldades de contratar profissionais com alguns perfis específicos.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o desemprego já atinge mais de 14 milhões de brasileiros. Esses dados, referentes ao primeiro trimestre de 2017, indicam que há muita mão de obra disponível no mercado.

Mesmo assim, a pesquisa “A Cabeça de Quem Contrata – expectativas e desafios em relação ao profissional contemporâneo”, conduzida pelo Instituto Locomotiva, revelou que Continuar lendo